Suplementação de selênio na terapia nutricional parenteral em pacientes críticos

Por suas ações antioxidantes, anti-inflamatórias e imunorreguladoras, o Selênio (Se) é um oligoelemento essencial para o desenvolvimento de diversas funções fisiológicas. No entanto, a prescrição de rotina desses suplementos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) é controversa apesar do elevado estresse oxidativo a que esses pacientes estão submetidos.

Diante disto, Mousavi e colaboradores (2021) publicaram uma revisão sistemática e metanálise com o objetivo de avaliar eficácia da suplementação parenteral de Se como monoterapia na sobrevida do paciente, na duração da ventilação mecânica, na ocorrência de complicações infecciosas e de  insuficiência renal aguda (IRA), assim como nos níveis de creatinina sérica e no tempo de internação e permanência na UTI em pacientes críticos.

Dos 24 ensaios incluídos, não houve diferença significativa do Se suplementado na parenteral no  tempo de internação no hospital e em UTI, nos dias em ventilação mecânica,  na ocorrência de  complicações infecciosas e de IRA, nos níveis séricos de creatinina e na sobrevida. A análise de subgrupo, contudo, mostrou que a administração parenteral diária de Se em doses superiores a 1000 μg/d aumentou o tempo de permanência na UTI em 4,48 vezes (IC 95%: -0,5, 9,46, p=0,07).  A suplementação de doses de Se em doses abaixo de 1000 μg/dia no primeiro dia e nos dias seguintes mostrou redução de IRA nos pacientes hospitalizados em 76% e 45%, respectivamente (p=0,02 e p=0,05).

O estudo sugere que a suplementação de Se em pacientes de UTI deve ser revisada de acordo com a dose de suplementação e mais estudos são necessários para avaliar seu efeito na ocorrência de IRA.

Clique no link abaixo e veja o estudo completo.

Referência: Mousavi, M. A. et al. Daily parenteral selenium therapy in critically ill patients: An updated systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Clinical Nutrition ESPEN, v. 41, p. 49-58, 2021.

Deixe um comentário