Fraqueza adquirida na UTI

A fraqueza adquirida na UTI é uma complicação frequente de doenças críticas. Sua prevalência pode ser influenciada pelo momento da avaliação, pelos métodos usados para o diagnóstico e por relatos inconsistentes da função muscular pré-hospitalar ou estado funcional geral dos pacientes.

Para o diagnóstico de fraqueza adquirida na UTI existem diferentes ferramentas que podem ser utilizadas a depender do objetivo. Existem avaliações para os músculos periféricos: teste funcional voluntário, eletrofisiologia, exames de imagem (ultrassonografia, tomografia computadorizada, imagem de ressonância magnética, absortometria de raio-X de dupla energia, análise de ativação de nêutrons, medições de impedância bioelétrica) e biópsia; assim como avaliações para músculos respiratórios: teste funcional voluntário, teste funcional não volitivo e teste de Imagem (radiografias de tórax e ultrassonografia).

Porém, existem alguns fatores de risco independentes para o desenvolvimento de fraqueza adquirida na UTI que, se bem controlados, podem auxiliar na condição do paciente, são eles:

  • A gravidade da doença crítica é um determinante importante. Doenças com elevada gravidade, sepse e inflamação, falência de múltiplos órgãos, bem como uma duração mais longa de ventilação mecânica e permanência na UTI, foram considerados preditivos.
  • Hiperglicemia desenvolvida em resposta ao estresse severo da doença crítica.
  • Administração de nutrição parenteral precoce.
  • Medicações e tempo de uso das mesmas: drogas vasoativas, corticoides, antibióticos e sedação contínua, podem favorecer o quadro de fraqueza adquirida na UTI.

Portanto, evitar a hiperglicemia e adiar a nutrição parenteral podem reduzir a chance de desenvolver a fraqueza adquirida na UTI. Além disso, a mobilização precoce, que requer a minimização da sedação, pode ser promissora, mas vários estudos estão andamento para esclarecer melhor seu impacto em medidas de desfecho clinicamente relevantes. Porém, mais pesquisas são necessárias para propor novas estratégias preventivas e/ou terapêuticas que possam ser testadas em ensaios clínicos randomizados bem desenhados.

Trecho: A fraqueza adquirida na UTI tem uma alta prevalência em doenças críticas. A prevalência desta condição clínica pode ser influenciada pelo momento da avaliação, pelos métodos usados para o diagnóstico e relatos inconsistentes da função muscular pré-hospitalar ou estado funcional geral dos pacientes. Porém existem alguns fatores que, quando bem controlados, podem minimizar e até impedir que o paciente desenvolva fraqueza adquirida na UTI.

 

Clique no link abaixo e veja o estudo completo.

Referência: Vanhorebeek, I et. al. 2020. ICU-acquired weakness

Este post tem 2 comentários

  1. pedro

    muito bom seu site gostei muito do seu conteúdo.Vou passar mais vezes para ver as atualizações.abraço para vcs.

    1. suporte

      Olá Pedro!
      Agradecemos a visita e a gentileza!
      Caso tenha sugestões de melhorias, ou algum conteúdo sobre o tema terapia nutricional, nos escreva!
      Sua sugestão é muito importante para nosso desenvolvimento.

      Obrigado
      Equipe CTN-USP

Deixe um comentário